Frase intrigante essa, não é? Principalmente para os profissionais da área que sabem o tanto do investimento de tempo e grana que fizeram em suas carreiras: formação acadêmica, cursos, experiências, oportunidades desafiadoras em que precisaram se aventurar, leituras, finais de semana e horas acumuladas pra garantir entrega de qualidade, e por aí vai… Muito conhecimento pra adquirir, e habilidade pra desenvolver em si  mesmo, isso sem contar a motivação que precisa estar em alta, porque lidar com pessoas requer paixão acesa.

Fulano tá com comportamento inadequado? Chama o RH! Sicrano está de atestado há muitos dias? O RH precisa entender! Turn over nessa área está nas alturas? Vamos pedir ajuda ao RH! E assim segue a saga deste herói que é lembrado todas as vezes que algum problema atrelado a pessoas aparece, logo, inúmeras vezes. Como pode esse título para uma realidade dessas?

A resposta segue em duas linhas de raciocínio. A primeira é a de que todos podemos ser RH. Importante reforçar que para mergulharmos numa proposta como essa é preciso abandonar a velha crença de que a própria expressão gera: Humanos não são recursos, ferramentas. Humanos são inspiração, são um conjunto de histórias e valores construídas ao longo de um tempo. Partindo dessa premissa, acredito que o colaborador de uma empresa, seja ele qual for – estagiário ou líder – é capaz de exercer o olhar de um profissional do RH. De que maneira? Se ele se esforça pra ouvir o outro de modo aberto; Se há em seu perfil capacidade de analisar um cenário de modo profundo e entendendo seu caráter institucional; Se acredita que é orientando e motivando as pessoas que se chega ao resultado; Se ele contribuiu para que o clima seja leve, respeitoso e diverso; Se sabe reconhecer uma atitude bacana de seu colega.

Iniciativas como essas tornam a cultura de uma empresa um ambiente propício para se trabalhar feliz. Percebam: nenhuma delas levam em si teorias ou técnicas exclusivas da especialidade RH. Apoiar e desenvolver as pessoas passa muito mais pelo viés do comportamento, do que o viés do conhecimento. Todos podemos ter recursos humanos como uma faceta do escopo de trabalho. É uma questão de escolha! Exercitar a curiosidade e o olhar para enxergar com sensibilidade para os detalhes de qualquer situação colocada.

Porém, não podemos deixar de lado as muitas frentes que o profissional de RH tem que assumir para garantir todo o cuidado que um colaborador precisa receber da sua chegada até o fechamento do seu ciclo naquela empresa. Seleção, Integração, Treinamentos comportamentais e técnicos, Pesquisa de clima, Avaliação de desempenho, ciclos de Feedback, ações de Endomarketing, Entrevistas de desligamento, e por aí segue uma lista grande…. Como mencionado no primeiro ponto, pessoas dentro de uma organização podem e devem ser olhadas por todos. A equipe de Recursos Humanos entra em ação quando o assunto é processos e sistemas que garantem a gestão das pessoas. Deste conjunto de práticas, o RH precisa ser guardião. E aqui também vale a premissa que ele não precisa ser caro. E como isso é possível?

A solução que a CONEXÃO TALENTO oferece é o Outsourcing de RH. Ou seja, empresas que não têm uma área própria de Desenvolvimento humano e organizacional podem contratar um conjunto de serviços. Levantamos o diagnóstico das fortalezas e fragilidades da sua empresa e te oferecemos um combo de soluções bem do tamanho da sua necessidade, nada a menos do que isso.