Nossas Cases

Outsourcing de RH no CON

O CON nasceu em 1995 para oferecer um ambiente onde as pessoas restabelecessem a saúde com leveza e tranquilidade. Além de oferecerem tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e um centro de terapia infusional, trabalham sob uma perspectiva humanizada para fazer a diferença na vida das pessoas

Já pensando em sua futura licença maternidade, a coordenadora de Recursos Humanos do CON sugeriu uma consultoria para apoiar a empresa nos processos referentes a pessoas enquanto ela estivesse fora. Foi assim que a Conexão Talento entrou no trabalho.

Quando chegamos, fizemos o nosso famoso diagnóstico organizacional. O resultado foi a constatação de lideranças pouco estratégicas e muito focadas no operacional. O nível de maturidade de alguns gestores era baixo demais para os cargos os quais ocupavam e, por isso, precisavam ser desenvolvidos. Mas já já chegaremos lá.

Além disso, percebemos uma carência de ações que unissem as equipes na busca pelo propósito da empresa. Então, logo de cara, já propusemos o que consideramos o básico: Festa Junina, Dia da Mulher, Dia do Médico e Aniversariante do Mês. Depois acrescentamos mais de oito ações no escopo do trabalho.

Nosso maior desafio quando assumimos foram as demandas operacionais ligadas ao Departamento Pessoal. Tivemos que colocar a mão na massa em questões jurídicas, fluxos internos, área de qualidade, documentação, fiscalização… tudo o que não estávamos acostumados a fazer. E como a Conexão superou essa dificuldade? Com muita pesquisa por parte da nossa equipe, capacitações que corremos atrás para implementar no trabalho e até um suporte da nossa própria consultora jurídica.

Os profissionais da saúde foram algumas das pessoas que mais sofreram, principalmente durante o primeiro ano da pandemia. Isso não foi diferente para os colaboradores do CON. Quando começamos nosso trabalho, a equipe já estava totalmente virtual, mas esta cultura não havia sido implementada de maneira que conectasse as pessoas que estavam de forma remota.

Outro ponto notado foram casos de depressão e burnout. Portanto, para aliviar essas dores gerais da equipe, implantamos a Pesquisa Pulse, uma pesquisa de clima semanal para medir e criar tratativas às questões mais urgentes. Também moldamos várias ações que uniram o time de forma online e acionamos uma psicóloga para fazer atendimento aos profissionais mais fragilizados.

Com o retorno da coordenadora de RH, a Conexão Talento saiu da frente de Outsourcing e focou exclusivamente nos treinamentos para a liderança. Assim, nasceu o programa mais inovador da parceria entre as empresas: o Lidera CON.

Visando desenvolver os líderes da organização, chamamos os próprios gestores para coconstruir um projeto fluido que tratasse não apenas das necessidades que a alta gestão identificava no time, mas, também, de assuntos que eles mesmos gostariam de estudar.

Durante a primeira rodada deste projeto, criamos um roteiro que abrangesse treinamentos técnicos, práticos e de autodesenvolvimento.

A equipe de líderes se reunia uma vez por semana para falar de temas como planejamento estratégico, gestão do tempo, comunicação interna, intranet, perfis comportamentais, entre outros.

O grande diferencial deste programa era a dinâmica em duplas, onde todos proporcionavam mentorias uns aos outros e trabalhavam juntos, se revezando de tempos em tempos. No fim do ciclo, cada dupla se unia para dar uma aula sobre o tema abordado para o resto do time. A ideia funcionou tão bem que a própria equipe pediu para que os encontros durassem mais tempo e gerassem mais trocas.

Mas não acaba por aí! Além da troca das duplas, também propusemos que cada um realizasse um feedback nos parceiros para que todos entendessem quais competências precisariam desenvolver de forma transparente.

Foi um trabalho de muito sucesso, que proporcionou um lugar de fala sem julgamentos, com muito respeito e alinhou gestores de maturidades bem diferentes.

O mérito foi tanto que o programa virou um artigo científico para a Organização Nacional de Acreditação, instituição responsável pelo desenvolvimento e gestão dos padrões brasileiros de qualidade e segurança em saúde.

Hoje, colhemos os resultados positivos deste trabalho. E o mérito não é apenas da Conexão Talento! Toda a equipe do CON se jogou de cabeça e participou ativamente das decisões.

Com as lideranças desenvolvidas, estava na hora de pensar nos colaboradores. Logo, colocamos em prática o Nosso DNA, um projeto de treinamentos inteligentes criado a partir de um mapa de competências que elaboramos em parcerias dos gestores.

Foi necessária a realização de feedbacks a todos os profissionais da empresa para, desta forma, categorizar as habilidades e suas respectivas turmas de treinamento. O projeto também tem espaço para os colaboradores que possuem maiores gaps de competências receberem mentorias individuais. Com isso, foi possível implantar um processo de Cargos e Salários e avaliação de desempenho. Um trabalho que continua e ainda irá gerar cada vez mais resultados.

Já pensando em sua futura licença maternidade, a coordenadora de Recursos Humanos do CON sugeriu uma consultoria para apoiar a empresa nos processos referentes a pessoas enquanto ela estivesse fora. Foi assim que a Conexão Talento entrou no trabalho.

Quando chegamos, fizemos o nosso famoso diagnóstico organizacional. O resultado foi a constatação de lideranças pouco estratégicas e muito focadas no operacional. O nível de maturidade de alguns gestores era baixo demais para os cargos os quais ocupavam e, por isso, precisavam ser desenvolvidos. Mas já já chegaremos lá.

Além disso, percebemos uma carência de ações que unissem as equipes na busca pelo propósito da empresa. Então, logo de cara, já propusemos o que consideramos o básico: Festa Junina, Dia da Mulher, Dia do Médico e Aniversariante do Mês. Depois acrescentamos mais de oito ações no escopo do trabalho.

Nosso maior desafio quando assumimos foram as demandas operacionais ligadas ao Departamento Pessoal. Tivemos que colocar a mão na massa em questões jurídicas, fluxos internos, área de qualidade, documentação, fiscalização… tudo o que não estávamos acostumados a fazer. E como a Conexão superou essa dificuldade? Com muita pesquisa por parte da nossa equipe, capacitações que corremos atrás para implementar no trabalho e até um suporte da nossa própria consultora jurídica.

Os profissionais da saúde foram algumas das pessoas que mais sofreram, principalmente durante o primeiro ano da pandemia. Isso não foi diferente para os colaboradores do CON. Quando começamos nosso trabalho, a equipe já estava totalmente virtual, mas esta cultura não havia sido implementada de maneira que conectasse as pessoas que estavam de forma remota.

Outro ponto notado foram casos de depressão e burnout. Portanto, para aliviar essas dores gerais da equipe, implantamos a Pesquisa Pulse, uma pesquisa de clima semanal para medir e criar tratativas às questões mais urgentes. Também moldamos várias ações que uniram o time de forma online e acionamos uma psicóloga para fazer atendimento aos profissionais mais fragilizados.

Com o retorno da coordenadora de RH, a Conexão Talento saiu da frente de Outsourcing e focou exclusivamente nos treinamentos para a liderança. Assim, nasceu o programa mais inovador da parceria entre as empresas: o Lidera CON.

Visando desenvolver os líderes da organização, chamamos os próprios gestores para coconstruir um projeto fluido que tratasse não apenas das necessidades que a alta gestão identificava no time, mas, também, de assuntos que eles mesmos gostariam de estudar.

Durante a primeira rodada deste projeto, criamos um roteiro que abrangesse treinamentos técnicos, práticos e de autodesenvolvimento.

A equipe de líderes se reunia uma vez por semana para falar de temas como planejamento estratégico, gestão do tempo, comunicação interna, intranet, perfis comportamentais, entre outros.

O grande diferencial deste programa era a dinâmica em duplas, onde todos proporcionavam mentorias uns aos outros e trabalhavam juntos, se revezando de tempos em tempos. No fim do ciclo, cada dupla se unia para dar uma aula sobre o tema abordado para o resto do time. A ideia funcionou tão bem que a própria equipe pediu para que os encontros durassem mais tempo e gerassem mais trocas.

Mas não acaba por aí! Além da troca das duplas, também propusemos que cada um realizasse um feedback nos parceiros para que todos entendessem quais competências precisariam desenvolver de forma transparente.

Foi um trabalho de muito sucesso, que proporcionou um lugar de fala sem julgamentos, com muito respeito e alinhou gestores de maturidades bem diferentes.

O mérito foi tanto que o programa virou um artigo científico para a Organização Nacional de Acreditação, instituição responsável pelo desenvolvimento e gestão dos padrões brasileiros de qualidade e segurança em saúde.

Hoje, colhemos os resultados positivos deste trabalho. E o mérito não é apenas da Conexão Talento! Toda a equipe do CON se jogou de cabeça e participou ativamente das decisões.

Com as lideranças desenvolvidas, estava na hora de pensar nos colaboradores. Logo, colocamos em prática o Nosso DNA, um projeto de treinamentos inteligentes criado a partir de um mapa de competências que elaboramos em parcerias dos gestores.

Foi necessária a realização de feedbacks a todos os profissionais da empresa para, desta forma, categorizar as habilidades e suas respectivas turmas de treinamento. O projeto também tem espaço para os colaboradores que possuem maiores gaps de competências receberem mentorias individuais. Com isso, foi possível implantar um processo de Cargos e Salários e avaliação de desempenho. Um trabalho que continua e ainda irá gerar cada vez mais resultados.