Por Horrara Moreira (convidada Conexão)

No último dia 20 de novembro, comemorou-se O Dia da Consciência Negra, em homenagem à Zumbi, líder insurgente do Quilombo dos Palmares[1], marco da resistência de pessoas vítimas do tráfico transatlântico para trabalhos forçados no Brasil.

Apesar da necessidade de reflexão a respeito da reparação da dívida histórica que o país tem para com os afrodescendentes, ser constante, novembro transformou-se em um marco anual para ampliar o debate ao coletivo.

Em alusão ao espírito festivo que as comemorações ensejam, devo dizer que fico muito contente em fazer parte do escritório que tem como Chefe de Diversidade o Andreu Wilson, sócio do Lima & Feigelson Advogados, concorrente ao Chambers Diversity & Inclusion Awards: Latin America 2020, por sua contribuição ao fomento da Diversidade e Inclusão no ambiente jurídico.

Nós do LF celebramos essa conquista, a festa, entretanto, não nos faz esquecer dos desafios. Desta forma, eu, estagiária, de origem periférica, negra, feminista interseccional[2] e mãe, apresento algumas perspectivas sobre um passado muito recente e um futuro que quero ter como promissor:

Apesar de representarmos 55,8% da população brasileira, os pretos ou pardos ocupam apenas 29,9% cargos gerenciais, além disso, brancos com nível superior completo ganham 45% a mais do que os pretos ou pardos com o mesmo nível de instrução[3].

Os números acima, ilustram a forma sistêmica em que as desigualdades se reproduzem no Brasil, desde do que se estima como um dos maiores crimes de tráfico humano da história[4], ainda assim, algumas pessoas acreditam que “somos todos iguais” e que essa data é um marco do “racismo” que os próprios negros se expõem, por que não “um dia para consciência humana?”

Assim, te convido a realizar o teste do pescoço. Conhece?

Vou explicar: Toda vez que entrar em um ambiente (físico ou virtual), vire sua cabeça para esquerda e para direita, conte quantas pessoas negras estão presentes e que posição elas ocupam.

Os números foram paritários para os cargos de chefia? E os de suporte e serviço? Temos tanto brancos quanto pretos? E mulheres? Hum… Se combinarmos a categoria de gênero, os dados são ainda mais dramáticos.

Caso a sua própria experiencia e os dados sócio-históricos que compõe a parte moral-filosófica do argumento deste texto, não te convençam de que é preciso repensar as estruturas sociais, não só de raça mas também de gênero, inclusive nos ambientes de trabalho, vamos ao argumento econômico:

Bom, pelo que pode perceber, “contratar e [trabalhar com] pessoas que não se parecem, falam ou pensam como você pode permitir que você evite as armadilhas dispendiosas da conformidade, que desencorajam o pensamento inovador”[6].

É claro que em um cenário de inclusão intencional, haverá a necessidade de redefinição de processos e principalmente de conceitos,  sendo certo o surgimento de algum desconforto, mas “esforçar-se para aumentar a diversidade no local de trabalho não é um slogan vazio – é uma boa decisão de negócios”[7], como toda mudança de cultura organizacional.

As constantes revoluções provocadas pela tecnologia e mais recentemente pela pandemia do novo corona vírus, forçam o mundo todo a rever paradigmas: teletrabalho, eficiência e por que não diversidade?

David Pedulla, professor do departamento de sociologia da Universidade de Stanford, a mesma precursora do law design, em seu artigo Diversity and Inclusion Efforts That Really Work[8], publicado na Harvard Bussiness Review em maio deste ano, realizou análise de diversos Programas de Diversidade e oferece recomendações práticas de como implementar medidas eficazes, você pode conferir aqui.

Ainda exista muito para avançarmos, todos os dias, política, socialmente… A cessão deste espaço e a confiança depositada para tratar deste assunto não tão confortável, é a prova que meu otimismo como jovem aspirante a carreira jurídica, se endereça ao lugar certo, temos combustível para perseguirmos o horizonte da utopia.

Feliz dia de Zumbi!

 

Horrara Moreira

 Estagiária de Proteção de Dados e Regulatório de Novas Tecnologias do LIMA & FEIGELSON SOCIEDADE DE ADVOGADOS, graduanda em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), coordenadora do Time de Mediação e Negociação Empresarial da Unirio, membro do Comitê de Jovens Mediadores do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA), Vice-Campeã de Negociação pela IX Competição de Arbitragem e Mediação Empresarial da Câmara de Mediação e Arbitragem Empresarial – Brasil Sudeste e Profissional Colaborativa capacitada pelo Instituto Brasileiro de Práticas Colaborativas.

 

 

 

Referências:
[1] https://www.geledes.org.br/zumbi-dos-palmares/
[2] O feminismo interseccional estuda como as estruturas racistas, sexistas e classistas que ordenam nossa sociedade, considerando como essas questões se entrelaçam em nosso cotidiano e refletem na vida pública e privada.  Para saber mais sobre o assunto leia: Angela Davis: Mulheres, Raça e Classe < https://www2.boitempoeditorial.com.br/produto/mulher-raca-e-classe-618>
[3] Dados do PNAD 2019 do IBGE: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25989-pretos-ou-pardos-estao-mais-escolarizados-mas-desigualdade-em-relacao-aos-brancos-permanece
[4] Estima-se que entre 1500 e 1900, quase 6 milhões de africanos foram escravizados e trazidos ao Brasil, os números são resultado das pesquisas realizadas pelo Banco de Dados do Tráfico de Escravos Transatlântico. Em comparação, os Estados Unidos receberam 389 mil pessoas. Nenhum outro país no mundo fez tantos escravos. (https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45092235#:~:text=Navios%20portugueses%20e%20brasileiros%20fizeram%20mais%20de%209%20mil%20viagens%20com%20africanos%20escravizados,-Amanda%20Rossi&text=Legenda%20da%20foto%2C,670%20mil%20morreram%20no%20caminho.)
[5] Lucro Antes de Juros e Impostos – A partir dos valores do EBIT é possível saber qual o verdadeiro lucro da empresa em seus resultados operacionais, incluindo as depreciações e amortizações.
[6] David Rock and Heidi Grant, em Why Diverse Teams Are Smarter, para Harvard Bussiness Review. < https://hbr.org/2016/11/why-diverse-teams-are-smarter>
[7] Ibiden
[8] https://hbr.org/2020/05/diversity-and-inclusion-efforts-that-really-work