Compartilhe

Satisfação não é uma meta, é o efeito de uma atividade contínua. Shunryu Suzuki-Roshi

O funcionário costuma ser bem positivo e orgulhoso com relação ao trabalho que executa e procura responder bem à relação com a sua liderança imediata. Quanto mais saudável o ambiente de trabalho, maiores as chances dessa realidade se dar de forma natural e se tornar elemento que componha a cultura da empresa.

No entanto, quando nos referimos a ambientes tóxicos, repletos de situações que constrangem, agridem e deixam os colaboradores infelizes, precisamos avaliar os motivos e caminhos que levaram a empresa a esse cenário que não se constrói da noite para o dia.

A insatisfação não passa a ser presente nas pessoas que trabalham numa empresa sem que motivos reais aconteçam, embora em um número imenso de casos, passem despercebidos ou sejam simplesmente ignorados por aqueles cuja responsabilidade deveria incluir cuidar para que a saúde mental e emocional dos funcionários, de todos os níveis, seja garantida.

Então, como identificar o que não vai bem e que tipo de ações podem e devem ser adotadas para mudar o rumo dessa situação?

Vamos aproveitar a Campanha Janeiro Branco que acabou de acabar para jogar uma luz mais forte nessa reflexão a respeito da Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas..

O Nome Janeiro Branco procura fazer uma referência ao início de um ciclo (do ano) e o fato de ainda estarmos com a folha do nosso planejamento em branco, sem nada muito definido e, então, aberta a pensarmos e tomar decisões a respeito de novos temas.

Campanhas destacam ações que geram maior conscientização, combatem crenças equivocadas, dão visibilidade a questionamentos e auxiliam na mudança de paradigmas a partir de ações educacionais, inspiradoras por parte de autoridades e influencers que nos fazem repensar e mudar nossa forma de agir a respeito de importantes questões que afetam a vida das pessoas, de um grupo social e até mesmo do mundo inteiro.

Parece legítimo, portanto, nos inspirarmos e nos ancorarmos nos objetivos da Campanha Janeiro Branco para refletirmos, buscarmos identificar o que precisa ser realinhado e tomarmos decisões importantes a respeito da saúde mental e emocional de nosso colaborador.

Aqui estão alguns dos sinais a serem observados que são sinais de alerta claros de que nem tudo está bem no campo de trabalho.

1) A conversa descontraída e o senso de humor deixaram de fazer parte da rotina de comunicação:

Mesmo se considerarmos o modelo de trabalho remoto, podemos fazer uma análise e avaliar o nível de interatividade e intimidade existente nas relações e conversas entre os funcionários, durante reuniões, ações de engajamento e descontração, etc.

O bate-papo descontraído sempre foi uma excelente régua do espírito de equipe e da satisfação de seus colaboradores. Quando as relações começam a parecer mais distantes, vazias e sem engajamento ou sem alma, acredite: é um forte sinal de que há algo errado acontecendo.

Para além das mudanças naturais ocorridas por conta da adoção de uma forma nova de trabalho, agora remoto ou híbrido, o silêncio e/ou a tensão que paira no ar costumar resultar de um sentimento de infelicidade, de tristeza que podem ser também identificados através das posturas corporais e expressões faciais.

2) Os colaboradores já não se mostram motivados a participar

Sabe aquela empresa em que toda equipe sempre se mostra disponível e motivada a dar sua contribuição para que os objetivos estratégicos ou uma Campanha Social ocorra com sucesso?

Aquelas empresas que costumam ser identificadas pela potência da adesão geral dos funcionários atuando com comprometimento para que os resultados da empresa sejam os melhores possíveis, pois compreendem que se trata de um sucesso que também é seu.

Quanto esse espírito de equipe e essa entrega passa a não ser mais uma prática comum e você identifica que há pessoas que se mantém a parte da equipe, é hora de averiguar se há algum problema acontecendo em sua vida pessoal ou aconteceu algum conflito com alguém na Empresa, por exemplo.

Coisas como falta de participação nas discussões, não responder e-mails ou falta de interesse pelas atividades de treinamento e capacitação, podem sugerir que algo aconteceu.

Um colaborador que se sinta excluído, impotente pode fazer com que ele deixe de se comprometer com todos. Às vezes, o que precisa ser revista é a comunicação para avaliar se esta sendo construída e praticada de forma clara, democrática e chegando a todos os interessados. Manter a rotina de mapear e testar os canais é de suma importância.

3) Quando os resultados despencam

É fato que ninguém consegue produzir grandes resultados se não está satisfeito e feliz. Da mesma forma, não é fácil manter alguém satisfeito e feliz se ele não consegue obter apoio, estrutura e ambiente para investir em ações e conseguir conquistar resultados acima do padrão normal.

Sendo assim, esteja sempre com atenção ativada para perceber se sua equipe está recebendo treinamento e estímulos que os motive a participar do processo de conquista dos objetivos, mas também esteja com o alerta ativado para sempre ter avaliado o nível de felicidade, equilíbrio emocional dos colaboradores, deixando-os mais capacitados a serem motivados pelos treinamentos e capacitações das áreas às quais pertencem.

E vale sempre lembrar: Motivar sua equipe nem sempre é uma questão de aumentar o % ou o valor do rendimento.

4) Nem sempre os relógios andam num mesmo ritmo

No famoso livro O Pequeno Príncipe, há uma frase emblemática que diz: “Ficarei feliz antes da sua chegada”. Fala sobre a alegria que a existência de alguém em nossa vida pode nos proporcionar.

Muito embora a empresa não seja a casa do colaborador, a gente sente que ele está infeliz quando se atrasa muitas vezes e também quando faz muitas pausas na jornada do dia ou busca encurtar as interações (reuniões, conversas, etc.).

Colaboradores insatisfeitos não desejam estender sua estada no trabalho além do que é obrigatório. Temos aí alguém cujo engajamento está enfraquecido e precisa ser reativado.

Seja por um problema de ordem pessoal ou por algo ocorrido na empresa, esse colaborador merece o carinho, cuidado e respeito de uma conversa honesta e direta. Pergunte se está tudo bem, se há algo que a empresa possa fazer para tornar sua jornada melhor: às vezes, um ajuste no horário ou na liderança direta do colaborador faz verdadeiros milagres.

O importante é que ele se sinta visto, ouvido e apoiado.

5) A criatividade se alimenta de liberdade

Uma liderança inadequada, que não conheça sua equipe ou não a motive através de uma relação saudável com base na liberdade de expressão, pode causar uma baixa tanto na autoestima quanto no moral dos colaboradores.

O que certamente irá impactar em como a ideias inovadoras e criativas irão ou não surgir durante as reuniões, atividades, treinamentos e dinâmicas com a equipe.

Colaboradores que se sintam seguros se engajam naturalmente nos objetivos, valores do negócio e participam espontaneamente com ideias que contribuam e também os auxilie na construção de suas carreiras na Empresa.

6) Clientes passam a ter sempre razão – em reclamar

Ninguém imagina que uma Empresa seja imune a algum tipo de reclamação por parte de seus clientes. Reclamações, inclusive, se bem monitoradas, geram avaliações imprescindíveis para a melhoria do atendimento.

Mas quando essas reclamações excedem o nível do razoável, precisamos observar três aspectos que dizem respeito á sua Equipe:

  • Se a equipe está em número adequado
  • Se a equipe tem como foco a satisfação do cliente e não na venda ou se sua equipe está composta por quem se importa mais com a venda do que com a satisfação do cliente
  • Se você tem uma Equipe ou apenas um número de funcionários destinados à venda

Quando seus funcionários não se importam, eles com certeza estarão expressando seu descontentamento para seus clientes. Mesmo em funções não voltadas para o cliente, qualquer redução na qualidade do trabalho afetará o produto final recebido pelo cliente.

7) Atrito no relacionamento entre colaboradores

Manter em bom nível o relacionamento interpessoal entre colaboradores será sempre um grande desafio para as equipes de RH. Sabemos que diferenças culturais, de idade, de crenças podem gerar diferentes gruas de conflitos no dia-a-dia.

Não é uma tarefa fácil, reunir dezenas, centenas e milhares de pessoas em uma mesma empresa e imaginar que os diferentes olhares sobre o mundo serão sempre os mesmos ou as diferenças encaradas com empatia e harmonia.

No entanto, quando aumentam as reclamações a respeito de políticas de trabalho, consideradas inapropriadas ou injustas ou queixas a respeito do comportamento e atitudes de colegas, pode ser um forte sinal de que há algum colaborador tentando instaurar um ambiente de insegurança e toxidade na empresa.

Não perca tempo e haja com rapidez, propondo conversas e ampliando a comunicação de forma bem democrática. Estimule encontros entre lideranças e suas equipes para que todos sejam ouvidos e suas dúvidas sejam esclarecidas.

Demonstre respeito com as dúvidas e questionamentos e se mostre honestamente interessado em apresentar propostas que possam representar realinhamento das insatisfações.

8) Quando há insegurança, a debandada aumenta.

Quando uma Empresa começa a perder seus grandes valores de forma frequente, quando o Turnover começa a gerar uma fragilidade estratégica, é hora de ligar a luz de alerta. Muitas vezes, saídas de grandes colaboradores, acabam estimulando outras pessoas a fazerem o mesmo.

Uma onde de muitas saídas pode gerar uma crise de engajamento e gerar um sentimento do tipo” Se eles estão saindo, talvez esteja por acontecer alguma coisa e eu deva me precaver, fazendo o mesmo.”.

A insatisfação de uns, que decidam sair da Empresa, pode contaminar os que ficaram e gerar uma insegurança que venha a colocar em risco a estabilidade da equipe, gerando novas perdas.

9) O absenteísmo pode ter várias razões

Um aumento notável nos dias de doença é uma bandeira vermelha. É claro que esta é uma questão que precisa ser tratada com sensibilidade. Uma pessoa pode estar ausente por motivos de saúde genuínos, para cuidar de um membro da família ou tirar uma folga para uma emergência pessoal.

No entanto, ausências por doença frequentes e generalizadas podem ser um sinal de um funcionário infeliz e desengajado. Se você notar padrões na ausência, pode ser porque seu funcionário está tentando administrar uma situação familiar, como pegar uma criança na escola. Este tipo de situação pode ser facilmente resolvido por uma mudança no horário de trabalho.

Não é difícil tomar decisões, quando você sabe quais são seus valores. Roy Disney